Categorias

Arquivo

Tweets

Parceiros

FacPlan - Software para Operadora de Plano de Saúde

FacPlan - Software para Operadora de Plano de Saúde

Com o FacPlan, você tem as ferramentas que precisa para  aperfeiçoar o relacionamento com os clientes, reduzir custos e melhorar seu...
FacCred - Software para Instituições Financeiras

FacCred - Software para Instituições Financeiras

O FacCred é um software integrado de gestão empresarial ERP, desenvolvido para automatizar de forma flexível, segura e altamente ...
Ouvidorias  - Sua operadora já está atendendo aos requisitos da ANS?

Ouvidorias - Sua operadora já está atendendo aos requisitos da ANS?

Você sabe o que é a RN 323? A ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) determina através da Resoluç&atil...
ANS disponibiliza arquivos da versão 3.02.00 do Padrão TISS

ANS disponibiliza arquivos da versão 3.02.00 do Padrão TISS

  A Troca de Informações na Saúde Suplementar - TISS foi estabelecida como um padrão obrigatório para as tro...
Computação em Nuvem: Solução para seu banco de dados e servidor

Computação em Nuvem: Solução para seu banco de dados e servidor

Seguindo uma forte tendência na área de produtos e serviços de TI para empresas, a Fácil Informática está ofe...
 FacCard - Sistema eficiente para Administradoras de Cartões

FacCard - Sistema eficiente para Administradoras de Cartões

O seu software vira outro tipo de sistema quando você mais precisa? Auge das vendas, equipes a todo vapor e na hora H ele não funciona c...
A sua agência de Turismo está atendendo as exigência do Banco Central?

A sua agência de Turismo está atendendo as exigência do Banco Central?

A  sua agência de turismo opera câmbio vende/compra moeda ou cartão pré-pago de viagem?   O Banco Central do Bra...
FacGeo - Divulgue sua rede assistencial e atenda à RN 285

FacGeo - Divulgue sua rede assistencial e atenda à RN 285

O FacGeo é uma ferramenta desenvolvida para o atendimento à Resolução Normativa (NR) 285 da ANS, que permite a divulga&cce...
Fácil Informática no Sinplo 2014

Fácil Informática no Sinplo 2014

A 9ª edição do SINPLO - Simpósio Internacional de Planos Odontológicos e Feira de Negócios para as operado...

Nova forma de remuneração repercute no mercado de Saúde

A apresentação de novas diretrizes na remuneração entre hospitais e operadoras de saúde proposto pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) repercutiu durante Simpósio Gestão Financeira e Custos Hospitalares, realizado no dia 30 de novembro, organizado pelo Instituto Mário Penna. A proposta promete revolucionar o mercado e a expectativa é que a agência lance o edital no início de 2013 para selecionar oito grupos de hospitais e operadoras, que devem iniciar a implantação do piloto ainda no próximo ano.

Além da questão dos custos, o grupo - * formado por entidades representativas de classe - discutiu sobre temas como tangibilização dos serviços, sustentabilidade, multiplicidade das formas de remuneração, engajamento dos médicos, ajuste de risco, livre concorrência, remuneração por desempenho, contratualização e padronização.

"Vamos lançar o edital para que os hospitais e operadoras tenham acesso ao conhecimento gerado pelo GT e façam os ajustes necessários para adaptar à realidade. Não temos uma proposta formatada, mas sim uma série de diretrizes definidas em conjunto depois de muita discussão. Esperamos fazer com que a relação entre prestadores de serviços e operadoras passe a ser mais proveitosa", explica o gerente de relações com prestadores de serviço da ANS Carlos Figueiredo. Segundo ele, no cenário atual, os custos das transações são crescentes, há uma burocracia desnecessária, o que gera a necessidade de mudanças estruturais para que os propósitos de cuidado ao paciente e promoção da saúde sejam preservados.

Pacotes

Afonso José de Matos, presidente da Planisa e mediador do grupo de discussão, acredita que a maneira como hospitais e operadoras se relacionam se deve a uma falta de organização de informações, o que dificulta a remuneração pelos serviços prestados. O executivo informa que o trabalho liderado pela ANS propõe um "pacote" de 20 procedimentos padrões, para que todos os interessados tenham condições de prever os custos e serem remunerados adequadamente sem surpresas.

"Como atualmente não há uma formatação, o atendimento de cada paciente é baseado na avaliação do médico. O que fizemos foi identificar serviços que podem ser enquadrados em um padrão, para garantir a qualidade e facilitar o processo de remuneração", detalha. Conforme ele explica, nesses "pacotes" estão inseridos os materiais que devem ser utilizados, procedimentos, profissionais de saúde envolvidos e estrutura de hotelaria, por exemplo.

Matos ressalta que em um primeiro momento, o principal benefício da implantação das diretrizes será a melhoria no atendimento a partir do estabelecimento de protocolos. Com maior gestão, a expectativa é que no médio e longo prazo seja possível estimar uma redução nos custos de operação, pois haverá maior previsibilidade sobre o que será necessário diante de determinados quadros de pacientes.

O também palestrante do evento e diretor corporativo de Práticas Assistenciais do Hospital São Camilo, Fábio Luís Peterlini, acredita que um dos principais desafios de se implantar essas diretrizes será mobilizar o corpo clínico a abraçar a causa. "Atualmente a maioria dos hospitais trabalha com um quadro aberto de médicos, o que implica em uma relação menos próxima entre os hospitais e profissionais. Para implantar uma mudança como esta será necessário ter uma gestão bem estruturada para gerar engajamento".

Na opinião de Peterlini existem exemplos de hospitais que tiveram sucesso em implantar propostas parecidas com a proposta para o Brasil. É o caso dos Estados Unidos, que tem vários centros de saúde que adota o modelo hospitalista. Para que o conceito de gestão centralizada seja implantado com sucesso é importante contar com um diretor técnico respeitado, aliado a profissionais com conhecimento médico e de gestão.

"Para sensibilizar os médicos em questões ligadas à gestão é importante abastecê-los com informações sobre desempenho. Esses profissionais geralmente são bastante competitivos e querem dar o melhor de si para os pacientes. Mostrar como isso está sendo feito é bastante produtivo", conclui.

Na avaliação do superintendente financeiro do Instituto Mário Penna (IMP), Antônio Carlos de Lemos Rezende Filho, ao propor esse trabalho a ANS está cumprindo o seu papel em promover a harmonia entre os players envolvidos na cadeia produtiva de saúde. "Muitas vezes os diferentes agentes não se encaram como parceiros, o que gera desconfiança e custos adicionais com auditorias".

Na opinião dele, para corrigir a forma como as empresas do setor vinham se relacionando é importante promover uma discussão ampla e aberta. Desta forma, o IMP deve, a partir do primeiro trimestre de 2013, fazer parte de um grupo que irá debater sobre questões do setor voluntariamente.

* Participaram da discussão a Associação Brasileira de Medicina de Grupo (Abramge), a Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp), Confederação das Santas Casas de Misericórdia, Hospitais e Entidades Filantrópicas (CMB), o Conselho Nacional de Saúde (CNS), a Federação Brasileira de Hospitais (FBH), Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde), a União Nacional das Instituições de Autogestão em Saúde (Unidas) e a Unimed do Brasil.

Fonte: Plurall - 11/12/12

Share

Comment function is not open