Categorias

Arquivo

Tweets

Parceiros

FacPlan - Software para Operadora de Plano de Saúde

FacPlan - Software para Operadora de Plano de Saúde

Com o FacPlan, você tem as ferramentas que precisa para  aperfeiçoar o relacionamento com os clientes, reduzir custos e melhorar seu...
FacCred - Software para Instituições Financeiras

FacCred - Software para Instituições Financeiras

O FacCred é um software integrado de gestão empresarial ERP, desenvolvido para automatizar de forma flexível, segura e altamente ...
Ouvidorias  - Sua operadora já está atendendo aos requisitos da ANS?

Ouvidorias - Sua operadora já está atendendo aos requisitos da ANS?

Você sabe o que é a RN 323? A ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) determina através da Resoluç&atil...
ANS disponibiliza arquivos da versão 3.02.00 do Padrão TISS

ANS disponibiliza arquivos da versão 3.02.00 do Padrão TISS

  A Troca de Informações na Saúde Suplementar - TISS foi estabelecida como um padrão obrigatório para as tro...
Computação em Nuvem: Solução para seu banco de dados e servidor

Computação em Nuvem: Solução para seu banco de dados e servidor

Seguindo uma forte tendência na área de produtos e serviços de TI para empresas, a Fácil Informática está ofe...
 FacCard - Sistema eficiente para Administradoras de Cartões

FacCard - Sistema eficiente para Administradoras de Cartões

O seu software vira outro tipo de sistema quando você mais precisa? Auge das vendas, equipes a todo vapor e na hora H ele não funciona c...
A sua agência de Turismo está atendendo as exigência do Banco Central?

A sua agência de Turismo está atendendo as exigência do Banco Central?

A  sua agência de turismo opera câmbio vende/compra moeda ou cartão pré-pago de viagem?   O Banco Central do Bra...
FacGeo - Divulgue sua rede assistencial e atenda à RN 285

FacGeo - Divulgue sua rede assistencial e atenda à RN 285

O FacGeo é uma ferramenta desenvolvida para o atendimento à Resolução Normativa (NR) 285 da ANS, que permite a divulga&cce...
Fácil Informática no Sinplo 2014

Fácil Informática no Sinplo 2014

A 9ª edição do SINPLO - Simpósio Internacional de Planos Odontológicos e Feira de Negócios para as operado...

Mudança de cultura: qualidade e segurança a toda prova

Para especialista, a saúde deveria se espelhar na cultura organizacional da aviação comercial, usinas nucleares e indústriaquímica.

Um dos fatores mais impactantes para determinar o grau de desenvolvimento de uma sociedade é o nível do sistema de saúde oferecido aos seus cidadãos, tornando essencial garantir-lhes o direito constitucional a um serviço de qualidade. Para atingir este objetivo, a busca é constante e antiga. Relatos de ações que visam às boas condições da assistência prestada vêm desde o século 18 na Europa, quando os médicos começaram a criticar a situação insalubre dos hospitais da época. A missão continua até os dias de hoje e podemos dizer que melhoras significativas foram atingidas durante todo este percurso.

Quer ficar por dentro sobre tudo o que acontece no setor de saúde? Assine gratuitamente a nossa newsletter diária e receba os destaques em sua caixa de e-mail.  

Atualmente existem metodologias, que não só introduzem os conceitos de qualidade, como também mensuram o nível dos serviços de saúde através do uso de indicadores, do estabelecimento de padrões mínimos e de comparações com hospitais de referência. Algumas das mais conhecidas são a TQM - Total Quality Managemment, oriunda da indústria, e as Acreditações Internacionais, pela Joint Commission (americana) e pela Organização Nacional de Acreditação - ONA (canadense). Estas metodologias são capazes de promover a emergência de uma cultura de qualidade dentro dos hospitais, mas são apenas o primeiro passo da jornada em busca da excelência.

Para garantir padrões de qualidade e de segurança, principalmente em hospitais que operam com alta complexidade, é importante fazer-se valer muito mais do que metodologias e processos. É importante uma mudança de cultura organizacional, tornando-a focada em seu cliente principal: o paciente.

O sistema de saúde é inseguro por natureza. Equipamentos e capacidade técnica são importantes, mas não são suficientes para garantir segurança. È necessário haver uma mudança de cultura, com total foco na melhora da comunicação e do trabalho em equipe, juntamente com uma reorganização estrutural.

As organizações de saúde deveriam tentar imitar a cultura das HROs - High Reliability Organizations, ou seja, Organizações de Alta Confiabilidade. Elas, apesar de operarem em ambientes extremamente arriscados e perigosos, têm uma taxa mínima de erros.

 

Nesta lista estão a aviação comercial, as usinas nucleares e a indústria química. Estas organizações têm uma cultura conhecida como "Cultura Informada", que segundo James Reason(1998) compreende quatro subculturas: a cultura justa (no blame culture), a cultura de reportar os erros (reporting culture), a cultura do aprendizado (learning culture) e a cultura flexível (flexible culture).

 

O erro é sempre utilizado para a correção de falhas, que são estudadas minuciosamente para que nunca mais aconteçam. Ao invés de se empreender a busca pelos culpados, existe a busca por soluções. Aos poucos os funcionários se sentem mais à vontade, não apenas para reportar as falhas, mas também para reportar situações onde elas podem ocorrer. Toda a organização aprende com seus erros. A cultura de flexibilidade oferece não só autonomia para tomar decisões ao funcionário da ponta, mas também o capacita para saber lidar com o inesperado. O funcionário conhece não apenas o plano A, mas também o B e o C.

Esta cultura de segurança é primordial na saúde, principalmente nos hospitais cirúrgicos onde os erros frequentemente levam às injúrias físicas, psíquicas ou mesmo à morte. Para que ocorra esta mudança cultural é importante que as lideranças transformem o ambiente hospitalar de crise e reclamação, num ambiente de aprendizado e melhorias, estimulando a comunicação, o trabalho em equipe, a aceitação de lideranças e oferecendo autonomia e compartilhamento de responsabilidades aos funcionários da ponta, tornando os hospitais mais orientados aos processos de que às funções. A população, cada vez mais informada e demandante, vai ser provavelmente a maior força para esta mudança.

*Germana Bahr, chefe da Divisão das Unidades de Produção de Apoio Diagnóstico e Terapêutico do Into (Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia).

Fonte: Saúde Business Web - 23/05/11

Share

Comment function is not open