Categorias

Arquivo

Tweets

Parceiros

Sua empresa já se preparou para os impactos da LGPD?

Sua empresa já se preparou para os impactos da LGPD?

Live interativa e gratuita: 22 de outubro de 2020, das 14h30 às 16h. Clique para saber mais.
FacCred - Software para Instituições Financeiras

FacCred - Software para Instituições Financeiras

O FacCred é um software integrado de gestão empresarial ERP, desenvolvido para automatizar de forma flexível, segura e altamente ...
FacPlan - Software para Operadora de Plano de Saúde

FacPlan - Software para Operadora de Plano de Saúde

Com o FacPlan, você tem as ferramentas que precisa para  aperfeiçoar o relacionamento com os clientes, reduzir custos e melhorar seu...
Ouvidorias  - Sua operadora já está atendendo aos requisitos da ANS?

Ouvidorias - Sua operadora já está atendendo aos requisitos da ANS?

Você sabe o que é a RN 323?A ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) determina através da Resolução...
FacRegulação

FacRegulação

Configuração de múltiplos fluxos de regulação.
FacMobile – Sua empresa na palma da mão

FacMobile – Sua empresa na palma da mão

FacMobile + FacCredO FacMobile cria a conexão perfeita entre as instituições financeiras e seus associados/clientes. Uma ferramen...
A sua agência de Turismo está atendendo as exigência do Banco Central?

A sua agência de Turismo está atendendo as exigência do Banco Central?

A  sua agência de turismo opera câmbio vende/compra moeda ou cartão pré-pago de viagem? O Banco Central do Brasil ...

FMI: taxar bancos "não tem nada a ver" com IOF

A taxa sobre o setor financeiro cogitada pelo G-20 em Saint Andrews não tem qualquer relação com os 2% de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) que o Ministério da Fazenda passou a cobrar sobre o capital de curto prazo que ingressa no país. A ressalva foi feita à Agência Estado pelo diretor-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn, que mais uma vez questionou a eficiência da iniciativa brasileira.

"Não tem nada a ver", disparou o executivo. "O que o Brasil criou foi uma taxa de 2% sobre o ingresso de capitais, o que é bastante tradicional." Strauss-Kahn afirmou que não acha a taxa brasileira um problema, "mas também não será muito efetiva". "Repito: o que estamos analisando não tem nada a ver com o controle de capitais, que é a iniciativa que o Brasil assumiu".

Instado, John Lipsky, número dois do fundo, interferiu na resposta de Strauss-Kahn e ressaltou: "Outro ponto de diferença é que, segundo as próprias autoridades brasileiras, a taxa criada no Brasil é uma medida temporária, enquanto o que estamos pensando é um sistema estável".

Fonte: Estado de Minas - 09/11/09

Related

Share