Categorias

Arquivo

Tweets

Parceiros

FacPlan - Software para Operadora de Plano de Saúde

FacPlan - Software para Operadora de Plano de Saúde

Com o FacPlan, você tem as ferramentas que precisa para  aperfeiçoar o relacionamento com os clientes, reduzir custos e melhorar seu...
FacCred - Software para Instituições Financeiras

FacCred - Software para Instituições Financeiras

O FacCred é um software integrado de gestão empresarial ERP, desenvolvido para automatizar de forma flexível, segura e altamente ...
Ouvidorias  - Sua operadora já está atendendo aos requisitos da ANS?

Ouvidorias - Sua operadora já está atendendo aos requisitos da ANS?

Você sabe o que é a RN 323? A ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) determina através da Resoluç&atil...
ANS disponibiliza arquivos da versão 3.02.00 do Padrão TISS

ANS disponibiliza arquivos da versão 3.02.00 do Padrão TISS

  A Troca de Informações na Saúde Suplementar - TISS foi estabelecida como um padrão obrigatório para as tro...
Computação em Nuvem: Solução para seu banco de dados e servidor

Computação em Nuvem: Solução para seu banco de dados e servidor

Seguindo uma forte tendência na área de produtos e serviços de TI para empresas, a Fácil Informática está ofe...
 FacCard - Sistema eficiente para Administradoras de Cartões

FacCard - Sistema eficiente para Administradoras de Cartões

O seu software vira outro tipo de sistema quando você mais precisa? Auge das vendas, equipes a todo vapor e na hora H ele não funciona c...
A sua agência de Turismo está atendendo as exigência do Banco Central?

A sua agência de Turismo está atendendo as exigência do Banco Central?

A  sua agência de turismo opera câmbio vende/compra moeda ou cartão pré-pago de viagem?   O Banco Central do Bra...
FacGeo - Divulgue sua rede assistencial e atenda à RN 285

FacGeo - Divulgue sua rede assistencial e atenda à RN 285

O FacGeo é uma ferramenta desenvolvida para o atendimento à Resolução Normativa (NR) 285 da ANS, que permite a divulga&cce...
Fácil Informática no Sinplo 2014

Fácil Informática no Sinplo 2014

A 9ª edição do SINPLO - Simpósio Internacional de Planos Odontológicos e Feira de Negócios para as operado...

Gasto com gripe suína pode elevar preço de planos de saúde

As operadoras de planos de saúde já prevêem reajustes mais salgados na renovação dos contratos com clientes por conta da pandemia de gripe A, também conhecida como gripe suína.

De acordo com as empresas, o aumento do número de atendimentos de emergência e de internações elevaram os custos dos planos e cresce a tendência de repasse no próximo reajuste.

A gripe deve pressionar principalmente o segmento empresarial, cuja negociação é livre entre a operadora e as companhias e o reajuste é realizado no aniversário do contrato.

No caso dos contratos individuais, o aumento é estipulado pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), mas as operadoras querem que a entidade também compute os efeitos da doença nos repasses para o próximo ano.

Segundo a Associação Brasileira de Medicina de Grupo (Abramge), o número de consultas e exames por causa da suspeita da nova gripe subiu até 30% em julho. “Os hospitais tiveram que reforçar o atendimento em ambulatórios, nos plantões e nos prontos-socorros. Esse custo terá que ser repassado”, diz Arlindo de Almeida, presidente da entidade.

Antes do boom da nova gripe, os reajustes dos planos empresariais tinham ficado, em média, entre 7% e 10%. Algumas operadoras calculam que a gripe poderá elevar esse índice entre três e quatro pontos porcentuais.

Com 434 mil clientes, a Unimed Curitiba registrou um aumento de 25% no volume de consultas em relação à média mensal, que é de 225 mil. Somente esse aumento significa um custo adicional de R$ 2 milhões, segundo o diretor geral, Sérgio Ossamu Ioshii.

De acordo com ele, a intenção é tentar negociar um reajuste maior para compensar o aumento dos custos, mas Ioshii admite que espera uma discussão difícil devido ao atual cenário econômico, em que a redução de gastos virou a palavra de ordem das empresas.

A Amil, por sua vez, espera concluir dentro de 45 dias um levantamento dos impactos da gripe nos custos da operação. Segundo André Madureira, superintendente da Amil no Paraná – onde a empresa tem cerca de 220 mil clientes – houve um aumento de 35% no número de internamentos, de exames e consultas no pronto-atendimento.

“Está claro que há uma pressão nos custos que deverá ser repassada. Mas o porcentual vai depender de cada contrato e do número de casos da doença em cada empresa”, afirma.

A Amil investiu R$ 100 mil em ações ligadas à prevenção da gripe, como a impressão de folders, cartazes e informativos, além da criação de um serviço de 0800 para tirar dúvidas.

De acordo com Cristiane Prado, diretora médica da Amil no Paraná, três unidades passaram a concentrar os atendimentos nessa área. “Optamos por cancelar algumas cirurgias eletivas para concentrar o atendimento nos casos de gripe”, diz.

Volume

Muitos hospitais tiveram de improvisar mais ambulatórios para atender à procura de pessoas e a expectativa é que os volumes de internação se mantenham em patamares elevados até o fim e setembro.

Na Amil, entre os casos de maior gravidade, 8% foram encaminhados à Unidade de Terapia Intensiva (UTI). A operadora estima que cada internação com assistência respiratória 24 horas custa entre R$ 10 mil e R$ 12 mil por dia.

De acordo com o diretor da regional Sul do grupo Vita, José Octávio Leme, houve uma “explosão” de atendimentos nos prontos-socorros dos dois hospitais da empresa em Curitiba. No Vita Curitiba foram 1,2 mil atendimentos a mais – alta de 12% – e no Vita Batel cerca de mil novos atendimentos, crescimento de 24%.

A situação obrigou a instalação de três ambulatórios móveis, montados em contêineres, e a contratação de mais oito técnicos e enfermeiros. “A gripe elevou o nosso custo mensal em R$ 50 mil”, conta.

Margens

Para o presidente da Abramge, o setor opera com margens apertadas e o equilíbrio econômico-financeiro dos hospitais e operadoras precisa ser preservado. Ele admite, no entanto, que não será fácil negociar repasses dos custos em um ambiente econômico complicado.

O setor de saúde privada, que movimenta R$ 59 bilhões por ano e reúne 52 milhões de beneficiários no país, já enfrenta forte resistência das empresas na hora de negociar reajustes. Esse embate ganha força agora, já que a maior parte dos contratos empresariais tem aniversário no segundo semestre.

A crise econômica vinha pressionando os volumes de atendimentos porque muitos trabalhadores, por receio de perder emprego, anteciparam procedimentos.

Quem foi demitido de empresas que mantiveram o plano de saúde válido por alguns meses também aproveitou para fazer exames, consultas e cirurgias. “Antes da gripe já estávamos com um aumento de 10% acima da média”, afirma Ioshii, da Unimed Curitiba.

Guilherme Lorenzi, diretor do plano Saúde Ideal, diz que o volume de consultas no pronto-atendimento cresceu 10%, para 2.277, na comparação com o mesmo período do ano passado.

Apesar do aumento, ele garante que ainda não há intenção de repassar esses custos para os próximos reajustes. “Mas ainda teremos que fazer os cálculos desse impacto, que só devem ficar prontos dentro de 30 dias”, acrescenta.


Fonte: Plurall - 17/08/09

Share

Comment function is not open