Categorias

Arquivo

Tweets

Parceiros

FacMobile – Sua empresa na palma da mão

FacMobile – Sua empresa na palma da mão

FacMobile + FacCred O FacMobile cria a conexão perfeita entre as instituições financeiras e seus associados/clientes. Uma fe...
FacPlan - Software para Operadora de Plano de Saúde

FacPlan - Software para Operadora de Plano de Saúde

Com o FacPlan, você tem as ferramentas que precisa para  aperfeiçoar o relacionamento com os clientes, reduzir custos e melhorar seu...
FacCred - Software para Instituições Financeiras

FacCred - Software para Instituições Financeiras

O FacCred é um software integrado de gestão empresarial ERP, desenvolvido para automatizar de forma flexível, segura e altamente ...
Ouvidorias  - Sua operadora já está atendendo aos requisitos da ANS?

Ouvidorias - Sua operadora já está atendendo aos requisitos da ANS?

Você sabe o que é a RN 323? A ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) determina através da Resoluç&atil...
ANS disponibiliza arquivos da versão 3.02.00 do Padrão TISS

ANS disponibiliza arquivos da versão 3.02.00 do Padrão TISS

  A Troca de Informações na Saúde Suplementar - TISS foi estabelecida como um padrão obrigatório para as tro...
Computação em Nuvem: Solução para seu banco de dados e servidor

Computação em Nuvem: Solução para seu banco de dados e servidor

Seguindo uma forte tendência na área de produtos e serviços de TI para empresas, a Fácil Informática está ofe...
 FacCard - Sistema eficiente para Administradoras de Cartões

FacCard - Sistema eficiente para Administradoras de Cartões

O seu software vira outro tipo de sistema quando você mais precisa? Auge das vendas, equipes a todo vapor e na hora H ele não funciona c...
A sua agência de Turismo está atendendo as exigência do Banco Central?

A sua agência de Turismo está atendendo as exigência do Banco Central?

A  sua agência de turismo opera câmbio vende/compra moeda ou cartão pré-pago de viagem?   O Banco Central do Bra...
FacGeo - Divulgue sua rede assistencial e atenda à RN 285

FacGeo - Divulgue sua rede assistencial e atenda à RN 285

O FacGeo é uma ferramenta desenvolvida para o atendimento à Resolução Normativa (NR) 285 da ANS, que permite a divulga&cce...

O lado bom da crise

O agravamento da crise econômica norte-americana, que vai se alastrando pelo mundo a cada dia, esfriou o debate sobre a exploração do petróleo localizado na camada do pré-sal. Antes de a crise ficar aguda, o governo só falava em como maximizar a receita futura do pré-sal. Não estava errado. Só que vieram as turbulências no mercado financeiro e transformaram em pó o crédito internacional. E sem financiamento disponível fica impossível acelerar a exploração do petróleo na costa brasileira.

Em outras palavras, o presidente Lula, que apostava no ouro negro do pré-sal para pisar no acelerador nos dois últimos anos de seu mandato, terá de se contentar, pelo visto, mais em definir as regras da exploração do petróleo do que lucrar com o negócio. Não bastasse a falta de crédito, a recessão mundial já derrubou o preço do petróleo e vai representar menos demanda pelo combustível. Mais motivos para alongar os prazos dos projetos de extração do óleo do pré-sal.

Bem, mas há um lado bom dessa crise sobre as relevantes descobertas de petróleo no Brasil. Como diz um integrante do governo, o debate agora tende a ser mais racional e mais centrado. Antes da crise, todo mundo já estava querendo gastar por conta. O Ministério da Cultura queria um naco da receita do pré-sal. O da Educação também. A turma da infra-estrutura, da saúde. E tudo isso num planejamento preliminar que indicava um início de produção em escala comercial depois de 2014, 2015. Ou seja, tinha muita gente sonhando com uma grana que iria jorrar nos cofres públicos só lá no final do mandato do sucessor do presidente Lula. Agora, esse cenário terá de ser redesenhado, postergado em no mínimo dois anos, prazo que os mais realistas calculam necessário para a economia mundial se recuperar de fato.

Animador de auditório

Vêm aí, nos próximos dias, os novos cenários que o governo irá encaminhar ao Congresso para montagem do Orçamento da União de 2009. Virá uma revisão do crescimento econômico esperado para o ano que vem. A proposta original registra uma expectativa anterior à crise, de 4,5%. Essa meta, infelizmente, foi para o espaço. O Ministério da Fazenda quer incluir na revisão um número ainda irreal, de 4%. Seu objetivo é tentar evitar uma propagação de um clima de pessimismo que possa contagiar até aqueles que, mesmo na crise, ainda têm bala na agulha. Ou seja, têm dinheiro para gastar ou investir, mas podem desistir dos seus planos se ficarem totalmente convencidos de que tudo será muito pior do que o imaginado.

Nos cálculos mais realistas do governo, a taxa de crescimento fica entre 3% e 3,5% no ano que vem. Mais perto de 3%. Possivelmente 3%. Até algumas semanas atrás, o Ministério do Planejamento pretendia incluir oficialmente na revisão dos cenários um crescimento de 3,8%. Mas está fazendo novos cálculos. A conferir.

Fonte: Folha online

Share

Comment function is not open