Categorias

Arquivo

Tweets

Parceiros

FacMobile – Sua empresa na palma da mão

FacMobile – Sua empresa na palma da mão

FacMobile + FacCred O FacMobile cria a conexão perfeita entre as instituições financeiras e seus associados/clientes. Uma fe...
FacPlan - Software para Operadora de Plano de Saúde

FacPlan - Software para Operadora de Plano de Saúde

Com o FacPlan, você tem as ferramentas que precisa para  aperfeiçoar o relacionamento com os clientes, reduzir custos e melhorar seu...
FacCred - Software para Instituições Financeiras

FacCred - Software para Instituições Financeiras

O FacCred é um software integrado de gestão empresarial ERP, desenvolvido para automatizar de forma flexível, segura e altamente ...
Ouvidorias  - Sua operadora já está atendendo aos requisitos da ANS?

Ouvidorias - Sua operadora já está atendendo aos requisitos da ANS?

Você sabe o que é a RN 323? A ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) determina através da Resoluç&atil...
ANS disponibiliza arquivos da versão 3.02.00 do Padrão TISS

ANS disponibiliza arquivos da versão 3.02.00 do Padrão TISS

  A Troca de Informações na Saúde Suplementar - TISS foi estabelecida como um padrão obrigatório para as tro...
Computação em Nuvem: Solução para seu banco de dados e servidor

Computação em Nuvem: Solução para seu banco de dados e servidor

Seguindo uma forte tendência na área de produtos e serviços de TI para empresas, a Fácil Informática está ofe...
 FacCard - Sistema eficiente para Administradoras de Cartões

FacCard - Sistema eficiente para Administradoras de Cartões

O seu software vira outro tipo de sistema quando você mais precisa? Auge das vendas, equipes a todo vapor e na hora H ele não funciona c...
A sua agência de Turismo está atendendo as exigência do Banco Central?

A sua agência de Turismo está atendendo as exigência do Banco Central?

A  sua agência de turismo opera câmbio vende/compra moeda ou cartão pré-pago de viagem?   O Banco Central do Bra...
FacGeo - Divulgue sua rede assistencial e atenda à RN 285

FacGeo - Divulgue sua rede assistencial e atenda à RN 285

O FacGeo é uma ferramenta desenvolvida para o atendimento à Resolução Normativa (NR) 285 da ANS, que permite a divulga&cce...

Portabilidade: Tema muito delicado

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) está colocando em audiência pública uma modificação delicada para o funcionamento dos planos de saúde privados. Depois de muito tempo, muita conversa e muita promessa, está saindo do forno a regra para a mudança de plano sem a necessidade do segurado cumprir novos períodos de carência.


Antes de mais nada, é preciso dizer que essa regra não vai atingir a imensa massa dos segurados de planos de saúde privados. Pelo contrário, ela será aplicada apenas aos planos individuais que, atualmente, são a grande minoria. Os planos empresariais e coletivos permitem a mudança de plano sem a necessidade do cumprimento de novas carências, dependendo, evidentemente, da quantidade de vidas cobertas. Como o princípio básico para o funcionamento dos planos de saúde privados é a divisão dos custos pela massa segurada, quanto mais gente fizer parte do plano, mais barato custa e mais vantagens ele pode oferecer.


Nos planos individuais ocorre o oposto. Como a operadora é obrigada a trabalhar com perfis de consumidores diferentes, com taxas de inadimplência, custos, idades e outras variáveis independentes, não há margem de manobra para benefícios ou descontos.
É inclusive por isso que boa parte das operadoras tem se afastado deste tipo de produto. Engessados pela lei e com chance de uso político dos reajustes, os planos individuais se tornaram uma bomba relógio. Como ninguém quer quebrar por assumir o desconhecido, o mais fácil é deixar de atuar no segmento, focando as forças da empresa para competir com vantagens nos segmentos empresariais e coletivos.


A idéia em discussão, em princípio, parece um plus para o consumidor. Ter o direito de mudar de plano, sem cumprir carências, oferece ao segurado a chance de sair de um plano que não funciona bem para entrar em outro mais eficiente. As regras para essa mudança ainda não estão sacramentadas, mas devem passar por algumas exigências mínimas de tempo e preço.


Como ninguém muda de um plano apenas pelos belos olhos da gerente, a idéia de mudança passa pela insatisfação do cliente com seu plano de saúde. Ora, um plano trabalhar mal pode ser conseqüência de uma série de fatores, não necessariamente iguais. Pode haver um descompasso de preço, uma deficiência em algum segmento da rede de atendimento, a mudança de prestadores de serviços, etc. Pode também ocorrer do plano ser uma arapuca, o que está se tornando mais raro, ou dele estar na beira da quebra, seja lá pela razão que for. Então, a questão mais importante que precisa ser muito bem equacionada é como o novo plano recebe o consumidor que deseja mudar para ele. Quais os patamares de atendimento que devem ser obrigatoriamente garantidos? Qual o preço a ser praticado? Que direitos do plano antigo o consumidor pode exigir do novo? Há a sucessão de responsabilidades e obrigações ou o plano novo passa a responder apenas pelo ocorrido depois do ingresso? É regra constitucional que ninguém pode ser obrigado a negociar com quem não está com vontade de fazer. Será que um plano pode ser obrigado a receber alguém que necessita de atendimento caro e que, portanto, vai aumentar a sinistralidade da carteira e encarecer a mensalidade de quem já era seu segurado? São questões delicadas que precisam ser respondidas de forma satisfatória no momento da regulamentação da norma, inclusive para reduzir ações judiciais, que custam caro e levam anos, com desgaste para todos, mas principalmente para os consumidores que já estão no plano e que passam a ter que custear as despesas de quem acaba de chegar. (Antonio Penteado Mendonça - O Estado de S>Paulo)

Fonte: unidas.org

Share

Comment function is not open